sexta-feira, 19 de setembro de 2008

XIV Festival de Dança do Mercosul

Itanhaenses conquistam 1º lugar no
XIV Festival de Dança do Mercosul

As coreografias vencedoras ‘Tido-tico no fubá’, ‘Pássaro Azul’
e ‘Tripla Expressão’ receberam a nota máxima do festival: 35 pontos

Após disputar com cerca de 900 dançarinos do Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile e México, os bailarinos do Corpo de Baile Jovem de Itanhaém e do grupo de dança de rua Action Dance conquistaram o 1º lugar no XIV Festival de Dança do Mercosul, realizado na Argentina, entre os dias 12 e 14 deste mês. Para avaliar as 450 coreografias apresentadas no festival, estiveram presentes os renomados jurados Marcelo Cirino, Constanza Torres e Elizabet Moro.

Alcançando a nota máxima de 35 pontos, Itanhaém recebeu a 1ª colocação através das coreografias ‘Tido-tico no fubá’ apresentada pelas bailarinas do Corpo Municipal de Ballet, Raphaela Caseiro Neto e Gabriela Delsin Araújo, na modalidade Clássico Livre Duo, ‘Pássaro Azul’, também apresentada por Gabriela, na modalidade Variação Feminina de Repertório, e ainda ‘Tripla Expressão’ apresentada pelos dançarinos do grupo de dança de rua Action Dance Fernando Curcio, Renan Lima e Luiz Henrique, na modalidade Trio.

O Corpo de Baile jovem e infantil de Itanhaém que há quatro anos oferece curso de ballet clássico à cerca de 300 jovens e crianças da cidade vem conquistando diversos troféus nos mais reconhecidos eventos de dança como o Festival de Dança de Osasco, Festival Internacional de Campos do Jordão, o III Festival de Dança ‘Dançar a vida’ em Santos, o Prodansp em São Paulo e a Noite de Gala do Teatro São Pedro, entre outros.

Já os coreógrafos do Action Dance, Fernando Curcio e Renan Lima, em sete anos de carreira já representaram a Cidade em diversos programas de TV como o Criança Esperança da Rede Globo, o Viva a Noite do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), O Melhor do Brasil da TV Record, e A noite é uma criança da TV Bandeirantes. Ainda nesta quinta-feira (18), os dançarinos participarão do programa Show até debaixo d’Água, apresentado por Silvio Santos no SBT.

Para participar do festival na Argentina, os dançarinos do Corpo Municipal de Ballet e do grupo de dança de rua Action Dance receberam o apoio da Prefeitura de Itanhaém, através do Departamento de Cultura, Auto Posto Pôr do Sol, JR Auto Peças e colaboradores.

Por Secretaria de Educação, Cultura e Esportes

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Dia Primeiro de Setembro / Dia da Bailarina / Bailarino


















Bailarinas e Bailarinos


Olá Pessoal!!Dia 1 de Setembro foi o dia da Bailarina

Também quero parabenizar a todas Bailarinas(os) !

































10 Dicas para se tornar uma grande Bailarina



1- Se respeite acima de tudo, e valorize seu trabalho. Confiança é a chave do sucesso!
2- Estude bastante e mantenha-se sempre aberta às novas descobertas, aprendendo cada vez mais.
3- Cuide do seu corpo e mantenha-se sempre bonita! O corpo é o templo do seu espírito.
4- Irradie alegria!
5- Não considere as outras bailarinas concorrentes ou rivais; mas sim como amigas que podem trocar experiências aprendendo umas com as outras.
6- Escolha músicas e roupas adequadas. Elas valorizam sua dança.
7- Seja humilde; assumindo seus erros e conhecendo seus pontos fracos; tentando sempre melhorá-los.
8- Seja exclusiva! Procure sempre inovar; e não tente copiar ninguém.
9- Descubra que sua verdadeira função na dança é transmitir alegria para outras pessoas através da sua arte. Faça valer esse dom!
10- Ame a Dança, e acima de tudo SE AME!!!







A História do Ballet

As origens do balé surgiram em celebrações públicas italianas e francesas nos séculos XV, XVI e XVII. Na Itália a impulsiva representação dramática resultou no balleto, --- de ballo (" dança" ) e ballare ("dançar" ) --- enormes espetáculos durando horas (e até mesmo dias) e utilizando dança, poemas recitados, canções e efeitos cênicos, todos organizados em torno de um enredo principal e com homens e garotos ricamente trajados no lugar da corte encenando os principais papéis. Os espetáculos eram apresentados em grandes salões ou em quadras de tênis (Teatros modernos não eram construídos antes do séc. XVI). A audiência para estas apresentações era composta principalmente por pessoas da corte, que contratavam dançarinos de alto escalão para ensinar aos amadores. Em 1460, Domenico da Piacenza escreveu um de seus primeiros manuais de dança.


Portanto peço para meus amigos que divulguem esse blog e visitem, dê opiniões, sugestões e façam desse uma fonte de informações para quem gosta tanto dessa arte que é o Ballet Clássico!!


Então é isso ai!!Entrando no mundo das bailarinas.......lá vamos nós!!

Finalizando

Q - Z

Quatre [Ka-truh]: Quatro.
Quatrième [ka-tree-EM]: Quarto.
Relevé [ruhl-VAY]: Elevado. Uma elevacão do corpo em pontas ou meia-pontas, ponta ou meia-ponta. Há duas maneiras de execução para o relevé. Na Escola Francesa, relevé é feito suavemente, uma contínua elevação equanto Cecchetti e a Escola Russa o usavam como um passo ágil. Relevé deve ser feito em primeira, segunda, quarta e quinta posição, en attitude, en arabesque, devant, derrière, en tournant, passé en avant, passé en arrière e assim por diante.
Retiré [ruh-tee-RAY]: Retirada. Uma posição onde a perna é tirada em segunda posição com o joelho dobrado e volta ao mesmo lugar de onde veio.
Rond de jambe [rawn duh zhahnb]: Literalmente, "movimento circular da perna". A perna que está trabalhando descvreve um círculo tanto na terra (àterre) como o ar (en l'air).
Rond de jambe à terre [rawn duh zhahnb a tehr]: Rond de jambe feito no chão. Um exercício da barra ou do centro onde uma perna descreve séries de movimentos circulares no chão. As duas pernas devem permanecer perfeitamente reta e todo o movimento deve vir do quadril. O dedo do pé que trabalha não sai do chão e não ultrapassa a quarta posição ouvert ou atrás.
Rond de jambe en l'air [rawn duh zhahnb ahn lehr]: Rond de jambe no ar. Ronds de jambe en l'air são feitos tanto na barra quanto no centro, e pode ser simples, duplo, en dehors ou en dedans. O dedo do pé que trabalha executa um movimento oval. A coxa deve se mexer o mínimo possivo e os quadris devem ser virado bem. A ponta do pé deve passar mais ou menos pela altura do joelho de base. O ápice do movimento é quando o pé fica em segunda posição en l'air.
Royale [ruah-YAL]: Royal. Uma mudança onde os calcanhares batem ao mesmo tempo e junto na frente antes que os pés mudem de posição. Pode também ser chamado de "changement battu".
Sissone [see-SAWN]: Um salto dos pés caindo em um pé com a perna trabalhada estendida para o lado, frente ou atrás num movimento parecido com o de uma tesoura.
Sissone fermée [see-SAWN fehr-MAY]: Sissone fechado. Um passo de elevação lenta executada em tempo rápido. Este sissone acaba os dois pés com o pé que está trabalhando colando no chão em demi-plié e na quinta posição. Pode ser executado en avant, en arrière e de côte em todas as direções, como croisé, effacé, écarté, etc.
Tour [toor]: Um giro completo do corpo. Verifique pirouette. Giro no ar, executado quando o dançarino salta verticalmente. Dos bailarinos se espera tours dobrados no ar e alguns deles são capazes de triplos tours. Raramente executados por mulheres.
Tournant, en [ahn toor-NAHN]: Literalmente, "girando". Muitos passos podem ser executados, tanto singulares ou em séries, quando o dançarino faz uma revolução em seu corpo e descreve um círculo no solo.

Continuação

L - P

Ligne [LEEN-yuh]: Linha. A linha do corpo apresentada por um bailarino(a) enquanto executa passos e poses. Um bailarino deve ter harmonia entre o arranjo da cabeça, do corpo, das pernas e braços em movimento. Uma boa linha é indispensável para os(a) bailarinos(as) clássicos.
Manèges [ma-NEZH]: Circular. Um termo aplicado para passos ou enchaînements executados em movimento circular.
Mazurka ou Mazurek Uma polca polonesa em 3/4 que foi introduzida em vários números de ballets como danças de personagens.
Neuf [nuhf]: Nove.
Ouvert, ouverte [oo-VEHR, oo-VEHRT]: Aberto, abrindo. Deve-se referir às posições (a segunda e a quarta posição dos pés são posições ouvertes), direções, ou certos exercícios ou passos. Na Escola Francesa o termo é usado para indicar a posição ou direção do corpo, semelhante a effacé.
Pas [pah]: Literalmente, "passo". Os termos técnicos para os passos de balé freqüentemente incluem a palavra "pas", ou às vezes a palavra "temps", como em pas de chat ou temps de poisson. Pas é também utilizada no sentido de dança, como por exemplo em pas de deux/trois/quatre (dança para duas, três ou quatro pessoas) ou mais, como em pas de l'ombre (dança da sombra) de Ondine, ou pas de patineurs (dança dos patinadores). Pas d'action significa a seqüência em um balé onde a narrativa é levada por várias maneiras de dança, como no chamado Adagio de Rose, no 1º Ato de "A Bela Adormecida".
Pas de bourrée [pah duh boo-RAY]: Um passo ligado onde o peso é transferido de um pé para o outro em três pequenos passos. Pas de bourree dá a impressão que o dançarino está deslizando sobre a superfície do palco. Pode ser executado em dessous, dessus, devant, derrière, en avant, en arrière e en tournant, en dedans e en dehors, na ponta ou na meia ponta... UFA! =)
Pas de bourée couru [pah duh boo-RAY koo-REW]: É o pas de bourée corrido. Um termo da Escola Francesa. É uma progressão, na ponta ou meia ponta, através de séries de pequenos passos executados com os pés perto um do outro. Pode ser feito em todas as direções ou em círculo.
Pas de chat [pah duh shah]: Um salto rápido e preciso, fechado em quinta posição. As duas pernas ficam dobradas no ar ao mesmo tempo que avançam de lugar. Uma curiosidade, este passo recebe este nome baseado no salto de um gato.
Pas de deux, grand [grahn pah duh duh]: Uma grande dança feita para dois. Difere do pas de deux principalmente em sua estrutura definida. Uma regra básica para os Grand Pas de Deux é ter cinco partes: entrée, adage, variação para danseuse, variação para danseur e a coda, onde os dois dançarinhos devem dançar juntos.
Pas de quatre [pah duh KA-truh]: Uma dança para quatro pessoas. O mais famoso pas de quatre da história do Ballet ocorreu em 12 de Julho de 1845, em Londres, a comando da Rainha Vitória, quando quatro grandes bailarinas do século IX, Marie Taglioni, Carlotta Grisi, Fanny Cerrito e Lucile Grahn se uniram.
Pas de trois [pah duh trwah]: Uma dança para três pessoas. Na seqüência, um pas de cinq é uma dança para cinco pessoas, um pas de six é para seis pessoas, etc.
Pas de valse [pah duh valss]: Um passo valsado, executado com graça, em um movimento gracioso de corpo com muitas variações de braços. Pode ser feito en face ou en tournant. O passo parece um balançe, mas o pé não se cruza.
Penché, penchée [pahn-SHAY]: Inclinar para a frente, levantando a perna de trás, e fazendo o possível para as costas não descerem logo, como no arabesque penchée.
Petit, petite [puh-TEE,puh-TEET]: Pequeno. Como, por exemplo, em petit battement (procure pela segunda palavra de passos começados com petit).
Pieds, cinq positions des [sen paw-zee-SYAWM day pyay]: As cinco posições básicas dos pés no ballet clássico, e cada passo ou movimento começa e termina com uma ou outra dessas posições, que foram estabelecidas por Pierre Beauchamp, maître de ballet da Académie Royale de Musique et de Danse de 1671 a 1687 (Vide página "O Básico do Ballet").
Piqué [pee-KAY]: Pisada. É executado diretamente na ponta ou meia-ponta do pé que está trabalhando e qualquer direção desejada ou posição com o pé levantado ao ar. Exemplos: piqué en arabesque, piqué developpé etc.
Pirouette [peer-WET]: Um giro completo do corpo executado sobre uma perna; a perna que está trabalhando deve ficar contra o tornozelo ou levantar-se até o joelho da perna de base, ou extendida para o lado ou para trás, em arabesque ou em attitude.
Pirouette à la seconde, grande [grahrul peer-WET a lah suh-GAWND]: Uma grande pirueta feita a partir da segunda posição, que é geralmente executada somente pelos bailarinos. É uma série de gitos em um pé com a perna livre erguida em segunda posição à 90 graus.
Pirouette piquée [peer-WET pee-KAY]: Um termo da Escola Francesa. O mesmo que piqué tour en dedans. É uma pirueta onde o bailarino gira direto na ponta ou meia-ponta com a perna erguida em sur le cou-de-pied devant ou derrière, arabesque ou em qualquer outra posição. Este giro é executado tanto en dedans como em en dehors.
Plié [plee-AY]: O primeiro exercício a ser feito em toda aula para "afrouxar" os músculos, o fundamento da técnica da dança. O dançarino permanece ereto na barra e lentamente dobra os joelhos, mantendo-os em linha com os pés. Pliés são executados em todas as cinco posições. Geralmente quase todo passo começa e termina em demi-plié, dando impulso ao salto e amortecendo a aterrisagem.
Pointes, sur les [sewr lay pwent]: A ponta do pé. As mulheres, e raramente os homens, dançam sobre a ponta dos pés em sapatilhas. A introdução dessa técnica no início do século XIX tornou possível o desenvolvimento da virtuosidade feminina, como múltiplos fouettes e sustento em uma só perna. Meia ponta é quando o (a) dançarino (a) se eleva com os dedos tocando o chão e o resto do pé elevado.
Poisson [pwa-SAWN]: Hihihi... Significa peixe. É uma posição do corpo onde as perna se cruzam na quinta posição e com as costas arqueadas. É uma pose que pode ser feita com salto no ar ou em um pas de deux, quando a bailarina é colocada na posição poisson pelo seu partner.
Port de bras [pawr duh brah]: Literalmente, "levada do braço". Usada em seu sentido geral, e também para denotar exercícios projetados para desenvolver a graça e a harmonia do uso dos braços. Entretando, quando um dançarino, na barra, dobra o tronco para a frente e para trás, este exercíco é chamado port de bras mesmo quando sua correta execução envolve todo o corpo. Há posições para os braços correspondentes a posições dos pés.

Continuação

G - J

Glissade [glee-SAD]: Deslizar. Um passo saltado onde o pé que trabalha desliza da quinta posição na posição escolhida, com o outro pé fechado. Glissade é um passo à terre e é usado para ligar passos. Após demi-plié em quinta posição o pé que trabalha desliza ao longo do chão e salta a poucos dedos do chão. O outro pé então acompanha, ficando no ar com os joelhos esticados e os dois pés apontando para o chão. Então o pé que trabalha retorna ao chão e o outro cruza à sua frente em quinta posição, demi-plié. Quando um glissade é usando como um passo auxiliar para pequenos ou grandes saltos é realizado em um rápido movimento. Glissades são feito com ou sem mudança de pé, e todos começam e terminam com demi-plié. Há seis glissades: devant, derrière, dessous, dessus, en avant, en arrière, a diferença entre cada um deles depende do começo e do final das posições também como as posições. Glissade porde também ser feito sur les pointes.
Grand,grande [grahn,grahnd]: Grande, largo. Como, por exemplo, em grand battement (para encontrar termos começados com 'grand', tente procurar pela segunda palavra dos nomes deles.)
Italiana,Escola A Academia Imperial de Dança, junta com La Scala de Milão, abriu em 1812. Seu apogeu começou quando Carlo Blasis, bailarino italiano e professor, se tornou diretor em 1837. Blasis publicou dois livros, onde ele codificou seus métodos didáticos e tudo que era sabido até a época da técnica do ballet. Estes livros formam a base do nosso treinamento clássico de hoje em dia. Blasis treinou muitas grandes bailarinas da era, e seu pupilo Giovanni Lepri foi professor de Enrico Cecchetti, um dos maiores professores da história do ballet. Foi Cecchetti quem trouxe a Escola Italiana a seu apogeu. A Escola Italiana era conhecida por sua força, técnica brilhante e virtuosidade entre seus bailarinos, que encantavam a platéia com a dificuldade dos passos e giros brilhantes.
Jambe [zhahnb]: Perna
Jeté, pas [pah zhuh-TAY]: Um passo onde a perna é jogada. Um salto de um pé para o outro onde a perna que trabalha é levantada ao ar e parece ter sido jogada. Há uma grande variedade de pas jetés (geralmente chamados somente jetés) e eles devem ser executados em todas as direções
Jeté battu [zhuh-TAY ba-TEW]: Jeté batido. Ambos jeté dessus e jeté dessous devem ser batidos.
Jeté entrelacé [zhuh-TAY ahn-truh-la-SAY]: Jeté entrelaçado. Um termo dvindo da Escola Russa. Este jeté é feito em todas as direções e em círculo. É geralmente precedido por um chassé ou pas couru para dar ímpeto ao salto. Na Escola Francesa é chamado de "grand jeté dessus en tournant"; no método Checchetti é "grand jeté en tournant en arrière."
Jeté, grand [grahn zhuh-TAY]: Um grande jeté. Neste passo as pernas são jogadas a 90 graus com um salto correspondente. É feito pra frente em attitude croisée ou effacée, e em todos os arabesques. Deve também ser feito para trás com a perna elevada tanto em croisé como em effacé devant. Grand jeté é sempre precedido por um movimento preeliminar, como um glissade, pas couru ou coupe.
Jeté en avant, grand [grahn zhuh-TAY ah na-VAHN]: Um grande jeté direcionado para a frente. Um grande salto para a frente precedido por um movimento como pas couru ou um glissade, que dá o impulso necessário. O salto é feito com o pé que é "jogado" para a frente, como um grand battement a 90 graus, onde a altura do salto depende da força do calcanhar e o tamando da perna, também levando em consideração o impulso da outra perna que fecha. O bailarino tenta permanecer no ar em um attitude ou arabesque bem definido e cai ao chão na mesma pose. É importante inicar o salto com um singelo plié e e terminá-lo com um suave e controlado plié.
Jeté, petit [puh-TEE zhuh-TAY]: Um pequeno jeté. Do demi-plié na quinta posição o pé que trabalha desliza pelo chão até alcançar a posicão à la demi-hauteur. O pé de base então descola do chão e aterrisa em fondu na perna que trabalha com o outro pé extendido no ar ou em sur le cou-de-pied. Petit jeté é feito dessus, dessous, en avant, en arrière e en tournant.

Continuação

D-F

Dedans, en [ahn duh-DAHN]: Para dentro. Em passos e exercícios o termo en dedans indica que a perna, à terre ou en l'air, se mexe em movimento circular em sentido anti-horário de trás pra frente. Por exemplo, em rond de jambe à terre en dedas. Em pirouettes o termo indica que a pirouette é feito para dentro em relação à perna de base.
Développé [tahn dayv-law-PAY]: Veja grand battement developpe.
Dehors, en [ahn duh-AWR]: Para fora. Em passos e exercícios o termo en dehors indica que a perna, à terre ou en l'air, move em uma direção circular, em sentido horário de frente pra trás. Por exemplo, em rond de jambe à terre en dehors. Em pirouettes o termo indica que uma pirouette é executada com a perna bem aberta, para fora.
Demi-plié [duh-MEE-plee-AY]: Meia dobrada nos joelhos. Todos os passos com elevação começam e terminam com um demi-plié.
Derrière [deh-RYEHR]: Para trás. Este termo se refere a um movimento ou passo. Em referência a um determinado passo, quando se utilizada o derrière se indica que o pé que trabalha fecha atrás.
Dessous [duh-SOO]: Para trás. Indica que o pé que trabalha passa atrás do pé de base. Por exemplo, em pas de bourrée dessus.
Dessus [duh-SEW]: Para frente. Indica que o pé que trabalha passa à frente do pé de base. Por exemplo, em pas de bourrée dessus.
Divertissement [dee-vehr-tees-MAHNLAY]: 1. Uma seção de danças no balé que não tem nehuma conexão com o enredo, por exemplo, a dança das fadas, em "A Bela Adormecida", 3º Ato, ou "Camponês", pas de deux em "Giselle" 1º Ato. 2. Uma curta dança ou trecho de um longo balé como uma parte separada em determinado programa.
Échappé [ay-sha-PAY]: Um échappé é um passo de salto, onde os dois pés pulam fechados em quinta e trocam de lugar no ar, acabando em demi-plié no chão. Dependendo do caso, échappés são feitos da segunda para a quarta posição, os dois pés em distâncias iguais do centro original de gravidade.
Effacé, effacée [eh-fa-SAY]: Uma posição do corpo onde o dançarino se vira para o lado do público.
Elevação A habilidade de se sustentar no ar por um tempo.
Enchainement: Uma combinação de passos dentro de uma expressão de dança.
Entrechat [ahn-truh-SHAH]: Um pulo vertical na quinta posição, com a troca dos pés no ar, duas (entrechat quatre), três vezes (entrechat six), quatro vezes (entrechat huit),e , exepcionalmente, 5 vezes (entrechat dix). O termo entrechat deux não é usado: quando os pés batem uma vez e mudam isto é chamado mudança battu ou royale. Em todos esses o dançarino retorna à quinta posição. No entrechat trois, cinq e sept o dançarino cai no chão em um pé, com o outro tocando a perna de base após um, dois ou três batidas.
Épaulement [ay-pohl-MAHN]: Uma ligeiro movimento dos ombros, em croise ou efface, em relação à cabeça e às pernas, utilizadas principalmente no balé clássico, particulamente nas escolas Italianas, Russas e Britânicas. Na velha França e nas escolas Dinamarquesas é raramente usado.
Fouette [fweh-Tay]: Um passo giratório, geralmente feito em série, onde a perna que está trabalhando é jogada para o lado em rond de jambe (vide) e enquanto o dançarino gira sobre a perna de base, mantendo a perna elevada. Os 32 fouettes executado por Odile em "O Lago dos Cisnes", 3º Ato são a mostra o toque da virtuosidade feminina.
Fondu, fondue [fawn-DEW]: Descida. Um termo utilizado para descrever a baixa do nível do corpo através da dobradura dos joelhos da perna de base. Saint-Léon escreveu "Fondu é em uma perna enquanto plié é em duas". Em alguns isntantes o termo fondu também é utilizado para descrever a finalização de um passo quando a perna que está trabalhando vai ao chão em um movimento suave.

Aí está o significado que algumas pessoas me pediram.

Aqui, vai o que me pediram,espero ter ajudado:





Adage, Adagio [Do francês: a-DAHZH] : 1. Uma seqüência de exercícios em tempo lento, executados nas aulas de balé para desenvolver força na sustentação de pernas e balanço. 2. Uma passagem de pas de deux onde o homen segura a mulher para executar alguns passos.
Allegro [a-lay-GROH; Italian: al-LAY-groh]: Seqüência de passos em tempo rápido, executados nas aulas de balé para desenvolver a velocidade e esclarecer melhor a execução dos passos.
Air, en l' [ahn lehr]: No ar. Indica que o movimento deve ser feito no ar; ex: Rond de Jambe en l'air.
Arabesque [a-ra-BESK]: Uma posição onde o (a) dançarino (a) eleva uma perna, reta ou dobrada, com a outra estendida para trás, geralmente em ângulos similares ao do corpo, mas mais alto no arabesque penchee, quando o (a) dançarino (a) "cai" para a frente e levanta a perna mais alto seguindo a linha das costas. São 5 no método de Cechetti, 4 no método de Vaganova e 2 na Escola Francesa.
Arrière, en [ah na-RYEHR]: Para trás. Usado para indicar que o pesso está sendo executado para a platéia. Por exemplo, um glissade en arrière.
Assemblé [a-sahn-BLAY]: Um passo saltitante onde o daçarino empurra uma perna para cima e para fora para a frente, lado ou trás, no mesmo tempo saltando a outra, e trazendo as duas pernas juntas no ar antes de aterrisarem.
Assemblé en tournant, grand [grahn ta-sahn-BLAY ahn toor-NAHN] Um grande assamblé executado com um giro. É feito na mesma maneira do grand assamblé. Só pode ser feito em dessus ou derrière. É geralmente precedido por um pas couru ou um chassé.
Attitude [a-tee-TEWD]: Uma posição originalmente derivada da estátua de Mercúrio criada por Giovanni de Bologna, onde o dançarino eleva uma perna com o joelho flexionado, e onde a perna de base conintua esticada. O joelho flexionado deve se elevar em um nível mais alto que o do pé.
Avant, en [ah na-VAHN]: Avante! Para frente! Uma direção para a execução de determinado passo. Usado para indicar que um passo se direciona à frente, para a platéia. Por exemplo, um glissade en avant.
Basque, sault de Um passo saltitante onde a perna que está trabalhando é levantada para o lado e o pé da outra perna está no joelho da perna que está trabalhando enquanto o corpo está pulando, aterrizando nesta posição.
Battement [bat-MAHN]: Batida. Uma batida da perna extendida ou dobrada. Há dois tipos de battements, grands battements e petits battements. Os petits battements são: Battement tendu, dégagés, frappés e tendus relevés: alongados, parados, ou alongados e levantados (Battements tendu relévé).
Battement dégagé [bat-MAHN day-ga-ZHAY]: É um termo do método de Cecchetti. O Battement dégagé é semelhante ao Battement tendu mas é feito em uma velocidade dobrada e o pé que está trabalhando levanta um pouco do chão, uns dois dedos, com uma ponta alongafa e então volta para a posição inicial (primeira ou quinta). Battements dégagés fortalecem os dedos, desenvolvem o peito do pé e melhora a flexibilidade do calcanhar. O mesmo que o battement tendu jeté (Balé Russo) e battement glissé (Balé Francês).
Battement fondu développé [bat-MAHN fawn-DEW dayv-law-PAY]: É um battement desenvolvido. É um exercício onde a perna de base é levemente dobrada em fondu e com o pé da perna que trabalha encostado na perna de base, apontando para o calcanhar.Enquanto a perna de base é esticada, a perna que trabalha também se alonga para o chão ou para o at. O movimento pode ser feito em devant, derrière e à la seconde. Em fondu atrás, a posição do pé é sur le cou-de-pied derrière. Em fondu à frente, a posição do pé é sur le cou-de-pied devant.
Battement frappé [bat-MAHN fra-PAY]: Um Battement assim... 'batido e parado'. É um exercício onde o bailarino extende a perna execitada de cou-de-pied para a frente, lado ou trás. O exercício fortalece os dedos e o peito do pé e o desenvolve a elevação. É a base do allegro, do jeté...
Battement sur le cou-de-pied, petit
[puh-TEE bat-MAHN sewr luh koo-duh-PYAY] Uma pequena batida no calcanhar. Este é um exercício na barra onde o pé que trabalha fica em sur le cou-de-pied e a perna se movimenta pra dentro e pra fora, pra dentro e pra fora, mudando o pé de sur le cou-de-pied devant para sur le cou-de-pied derrière e vice-versa, sem mexer a coxa. Petits battements são feitos com o pé de base à terre, sur la demi-pointe ou sur la pointe.
Battement tendu [bat-MAHN tahn-DEW] É um battement alongado. Um battement tendu é o início e o final de um grand battement e é um exercício para forçar a parte de dentro da perna. O pé que trabalha sai da quinta ou da primeira posição para a segunda ou quarta posição sem que os dedos saiam do chão. Os dois joelhos devem se manter retos. Quando o pé atinge a posição pointe tendue, ele retorna à primeira ou quinta posição. Battements tendus também podem ser feitos em demi-plié em primeira ou quinta posição. Eles podem ser feitos en croix.
Battement, grand [grahn bat-MAHN] Um grande battement. Um exercício em que a perna que trabalha é jogada para o ar com muita força e desce controlada, com os dois joelhos retos. Pode parecer fácil, mas a dificuldade deste passo é de manter o resto do corpo 'quieto', se mover nada além da perna. A função dos grands battements é para fortalecer os quadris e treinar o an deors da perna desde os quadris. Grand battements podem ser feitos devant, derrière e à la seconde.
Balletomane Esse termo eu não conhecia! Balletomane é um fã de balé ou entusiasta. A palavra foi inventada na Rússia no início do século IX.
Balancé [ba-lahn-SAY]: Este passo lembra o pas de valse e é uma alternativa de balanço, mudando o peso do corpo de um pé para o outro. Balancé também pode ser feito numa tranferência de perna da frente pra trás ou vice-versa. Ele também pode ser feito en avant ou en arrière, em croisé ou effacé e en tournant.
Barre [bar]: A barra horizontal de madeira ou ferro, às vezes fixada à parede da classe de balé ou em modelos móveis, onde os (as) bailarinos (as) seguram para obter apoio. Todas as aulas de balé começam com exercícios na barra.
Battu [ba-TEW]: Batida. Qualquer passo com batita é chamado de pas battu. Por exemplo, em jeté battu.
Bras [brah]: Braço.
Brisé [bree-ZAY]: Quebrado, quebrando. Um pequeno assamblé onde as pernas se batem no ar e o movimento é quebrado. A perna executada sai da quinta posição para a segunda. Quando o pé está saindo do chão, se salta um pouco e se bate em frente ou atrás da outra perna, que se encontram e então os dois pés aterrisam simultaneamente em demi-plié na quinta posição.
Brisé volé [bree-ZAY vaw-LAY]: Uma série de brises para frente e para trás alternadamente, aterrisando em um pé, dando a impressão que o dançarino está esquiando sobre a superfície do palco.
Cabriole [ka-bree-AWL]: Um passo saltante onde o dançarino bate as duas pernas juntas no ar.
Changement de pieds [shahnzh-MAHN duh pyay]: O dançarino salta verticalmente no ar com suas pernas juntas e troca de posição seus pés antes de aterrisar.
Corpo de baile Grupo de dançarinos de uma compania de balé, que aparece entre as danças dos solistas.
Chat, pas de Um salto leve e saltitante onde o joelho dobra, trazendo os pés juntos por baixo do corpo antes de "aterrissar" novamente na quinta posição.
Chassé [sha-SAY]: Um passo ligado onde o dançarino escorrega um pé para a frente, lado ou atrás, trazendo o outro pé para a quinta posição antes de continuar o próximo movimento.
Coda A última e rápida seção do pas de deux, onde os dançarinos devem ter pequenas passagens de solos assim como dançarem juntos numa brihante conclusão, como o pas de deux de "Pássaro Azul", em "A Bela Adormecida"
Coryphee Um dançarino (ou também seis) que mudou-se do corpo de baile para um novato nos papéis solo.
Coupé jeté en tournant [koo-PAY zhuh-TAY ahn toor-NAHN]: Um passo composto consistindo coupé dessous fazendo um giro de três-quartos e um grand jeté en avant para completar o giro. O passo é geralmente feito em série tanto en manège como em diagonal.
Croisé [mJah-ZAY]: Literalmente, "virado". Uma posição do corpo na qual o dançarino se move obliquamente em relação ao público, então quando a perna que está trabalhando é levantada, ela cruza a perna de base.