Nuevo Ballet Español apresenta a essência do flamenco

Castanholas, palmas ritmadas, guitarra e sapateado. Estes são alguns dos principais elementos do flamenco, cartão-postal da cultura espanhola, presentes no espetáculo Cambio de Tercio, que será apresentado sábado, 29, às 21 horas, na sala principal do Teatro Castro Alves. O Nuevo Ballet Español, uma das mais modernas e inovadoras companhias de dança do novo cenário espanhol, é comandada pelos coreógrafos e bailarinos madrilenhos Ángel Rojas e Carlos Rodríguez, que sobem ao palco acompanhados de quatro dançarinas e seis músicos. O espetáculo é composto por dez quadros de diferentes durações, que exibem diversos bailes desta dança espanhola: cantiñas, sevilhanas, fandangos, rumbas, bamberas, bulerias, tanguillos e seguidillas. "Há mais de 20 anos fazemos pesquisas no campo da dança, mas neste espetáculo não fizemos nenhuma mescla de estilos. O que está em cena é o flamenco tradicional em sua essência", conta Rojas. Segundo o artista, o que há de contemporâneo em Cambio de Tercio é o conceito. "Os músicos não estão dispostos de forma estática. Eles se movem conosco o tempo todo, de acordo com a coreografia. É isto que atualiza a concepção cênica e a torna fresca". Para ele, outra parte que ratifica este aspecto é o momento em que o público pode ver a troca de figurino dos dançarinos. "Isto mostra a transformação da pessoa em artista. Enquanto no palco se desenrola um quadro, o público acompanha a troca de vestuário. Fazemos isso para que o vejam. Para que seja real". Em turnê pelo mundo desde 2009, o espetáculo é dividido em três partes, com solos, duetos e ensembles, que mostram a trajetória do flamenco dos anos 1950 até os dias de hoje. "É um registro da estética, da dança e de tudo que a compõe", afirma Rojas. Cambio A expressão cambio de tercio vem do mundo das touradas e se refere à mudança entre as três fases distintas da luta do toureiro com o touro. No espetáculo, seu significado está atrelado a uma mudança de momento, uma nova etapa: a evolução dos coreógrafos Rojas e Rodríguez, que se afastaram das primeiras criações, muito focadas na energia e sensualidade da dança. "Para nós é uma mudança, um início de etapa diferente. Depois de 17 anos como coreógrafos, chegamos a uma fase de maturidade muito interessante e também assumimos o lugar de professores, o que nos permite combinar a parte mais tradicional de nossa arte com novas formas de movimento", resume Rojas. Os caminhos de Rojas e Rodríguez se cruzaram em 1994, quando receberam o prêmio de Melhor Bailarino Revelação do Concurso Nacional de Coreografia e passaram a integrar, como solistas, a companhia de José Antonio Ruiz, os "Ballets Españoles". Em 1995, eles fundaram o Nuevo Ballet Español e desde então tiveram o trabalho reconhecido por diversos prêmios, como o prêmio UP de Dança para Melhor Companhia de Dança Espanhola e Flamenco (2000), prêmio para Melhor Espetáculo Musical do Ano (Don Juan, 2004), entre outros.
(Fonte Terra. com)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

História da dança cênica.....

"Lista de Bailarinos Famosos "

DICIONÁRIO DE BALLET