Bienal Internacional de Dança do Ceará chega a sétima edição em outubro


(imagem e matéria da Secretaria da Cultura do Ceará)

Bienal Internacional de Dança do Ceará chega a sétima edição em outubro



Os espetáculos e programação formativa acontecerão no período de 16 a 26 de outubro. São mais de 60 atividades, com toda a programação gratuita.


Em outubro, Fortaleza, Sobral e Juazeiro do Norte recebem a VII Bienal Internacional de Dança do Ceará. Bailarinos e coreógrafos de mais de 30 companhias do Brasil e de mais sete países vão estar nos palcos e em espaços diversos com espetáculos e ações formativas. Do Brasil, a Bienal terá a participação do Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Minas Gerais. A Bienal recebe ainda companhias da França, Cabo Verde, Argentina, Alemanha, Portugal, Guiana Francesa e Finlândia. São mais de 60 atividades, com toda a programação gratuita. Os espetáculos e programação formativa acontecerão no período de 16 a 26 de outubro. Antes disso, de 13 a 17, haverá o III Fórum Latino-Americano de Videodança. Em novembro, de 24 a 28, a Bienal cruza o oceano e aporta na cidade de Praia, no Cabo Verde, para onde leva companhias e artistas cearenses, brasileiros e também de outros países, com espetáculos, residências artísticas e encontros. É o projeto VII Bienal Internacional de Dança do Ceará – CONEXÃO CABO VERDE, que visa fortalecer processos colaborativos de criação, ampliando fronteiras e relações artísticas com países do hemisfério sul.

A sétima edição da Bienal Internacional de Dança do Ceará é apresentada pela Petrobras, através da Lei de Incentivo à Cultura do Governo Federal; patrocínio do Banco do Nordeste do Brasil – BNB e Fundação Nacional de Artes - Funarte; agradecimento especial Companhia Energética do Ceará; apoio cultural do Ministério da Cultura – MinC, Governo do Estado do Ceará através da Secretaria da Cultura – SECULT, Centro Cultural Banco do Nordeste – CCBNB; apoio Institucional Ano da França no Brasil, República Francesa e Cultures France, Kultursenat Berlin, Centro Cultural Brasil-Alemanha e Consulado da Alemanha em Recife, Halle Tanzbühne Berlin, Departamento Cultural da Cidade de Berlin, Fundo Germânico para Artes de Palco, Instituto Camões, Ministério das Relações Exteriores da Finlândia, São Paulo Companhia de Dança e Governo do Estado de São Paulo, TV O Povo.

Nos Palcos
Para discutir éticas e estéticas, um breve panorama dos trabalhos das companhias e artistas independentes nacionais e internacionais pauta a linha curatorial do festival que lança questões sobre a multiplicidade de estratégias de inserção no campo da dança. A 7ª edição da Bienal apresentará trabalhos de artistas que por muito tempo integraram conceituadas companhias para, depois, se lançarem em projetos autorais, geralmente em colaboração com outros artistas. Entre eles: Denise Stutz (RJ), uma das criadoras do Grupo Corpo, com Três solos em um tempo; a ex-integrante da Quasar, Lavínia Bizzoto (RJ), dançando Na dobra do tempo; as cariocas Marcela Levi, ex-bailarina da Lia Rodrigues Companhia de Danças, e Flávia Meireles, que dançou com coreógrafos como João Saldanha e Paulo Caldas, trazem Em redor do buraco tudo é beira; e a argentina Marina Brusco, que foi bailarina do Teatro San Martín de la Ciudad de Buenos Aires e vem a Fortaleza pela primeira vez com Chito.

A Bienal também convida grupos e artistas independentes de dança que, em meio à precariedade e instabilidade dos mecanismos de fomento, vêm resistindo e se afirmando na paisagem da dança nacional. São eles: Staccato |Paulo Caldas, com Quinteto; Cena 11, dirigida por Alejandro Ahmed, com o trabalho Pequenas frestas de ficção sobre realidade insistente; o mineiro Vanilton Lakka, com o solo Interferência inacabada; o argentino Luis Garay, que retorna a Fortaleza com Maneries; e a companhia alemã Toula Limnaios traz Les Possedés.

A programação tem atenção especial, ainda, à produção coreográfica feminina, com uma homenagem às criadoras que, ao longo do século XX e neste início de novo milênio, fundam na dança novos estatutos éticos e poéticos, formas outras de povoar o universo dessa arte com suavidade, intensidade e inaugurando novos regimes de sentido. O Ballet de Lorraine traz a Fortaleza e Sobral três programas que contam com obras referenciais de Martha Graham, Isadora Duncan, Maguy Marin e Lia Rodrigues.

Além da programação artística, haverá cursos, oficinas, palestras e residências artísticas, todos gratuitos, como a que será ministrada por João Fiadeiro, que vem pela primeira vez ao Ceará, e trabalhará com seu método “Composição em Tempo-Real”. O artista atua em Portugal e ministra cursos e conferências em universidades e escolas nacionais e internacionais. Também ministram cursos Denise Stutz (RJ) e Silvia Soter (RJ), oficinas com Daniela Stasi (São Paulo Companhia de Dança/SP), Marcela Levi e Flávia Meireles (RJ), palestra com Inês Bogéa (São Paulo Companhia de Dança/SP), entre outras ações formativas.

Ano da França no Brasil
Prestigiando as comemorações do Ano da França no Brasil, os franceses Ballet de Lorraine e Alain Buffard, Norma Claire, da Guiana Francesa, e a portuguesa Vera Mantero circulam pelo Brasil através do Circuito Brasileiro de Festivais Internacionais de Dança, formado pela Bienal Internacional de Dança do Ceará, o Festival Panorama de Dança (Rio de Janeiro), FID – Fórum Internacional de Dança (Minas Gerais) e o Festival Internacional de Dança do Recife. A programação especial conta com apoio do MinC – Ministério da Cultura, Cultures France, Embaixada da França e Embaixada do Brasil.

Fórum de Videodança
A Bienal recebe em sua programação o III Fórum Latino-Americano de Videodança – FLV, uma realização conjunta com o projeto dança em foco – Festival Internacional de Dança & Vídeo, do Rio de Janeiro. Trata-se de um encontro institucional entre diversas instâncias que atuam na área da vídeodança (produção, exibição, circulação). Entre os eixos temáticos: a difusão da videodança, a educação e reflexão acadêmica, curadoria e crítica e redes de colaboração. Entre os participantes: Eduardo Bonito, Regina Levy e Paulo Caldas (Dança em Foco/RJ); Alexandre Veras e Andréa Bardawil (Bienal Internacional de Dança do Ceará); Silvina Szperling (coordenação geral do Fórum/Argentina); Ivani Santana (UFBA/BA); Roxana de Los Rios (Cuba); Sofía Orihuela Yucra e Brisa Muñoz Parra (Bolívia); Juana Miranda (Paraguai); Diego Carrera (Uruguai); e Ximena Monroy (México). A programação conta com parceria do Centro Cultural da Espanha em São Paulo/AECID.

A 7ª edição da Bienal conta, ainda, com a parceria do Circuito Brasileiro de Festivais Internacionais de Dança, Alpendre - Casa de Arte, Pesquisa e Produção, Associação de Bailarinos, Coreógrafos e Professores de Dança do Ceará - ProDança, dança em foco – Festival Internacional de Vídeo & Dança, Associação Hugo Bianchi de Dança, Associação dos Produtores de Arte do Ceará – Proarte; sendo uma realização da Indústria da Dança, Quitanda das Artes, Theatro José de Alencar, Instituto de Arte e Cultura do Ceará - Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, Centro Cultural Bom Jardim, SESC SENAC Iracema. Apoio: Prefeitura Municipal de Sobral através da Secretaria da Cultura, Rádio Tempo, Annas Tour, Brasil Tropical, Teatro das Marias, ABC Vatá, Hey Ho, Mugango.


Serviço:

- VII Bienal Internacional de Dança do Ceará. De 13 a 17 de outubro: III Fórum Latino-Americano de Videodança. De 16 a 26 de outubro: espetáculos e programação formativa em Fortaleza, Sobral e Juazeiro do Norte. De 24 a 28 de novembro: programação em Praia – Cabo Verde (África). Toda a programação é GRATUITA. Informações: Escritório da Bienal Internacional de Dança do Ceará – Rua José Avelino, 495 – Praia de Iracema – Fortaleza – Ceará. Telefone: 85 3219.3803. E-mail: producaobienal@gmail.com. Site: bienaldedanca.com.

INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA
DÉGAGÉ
Jornalistas Responsáveis: Sônia Lage e Eugênia Nogueira
(85)3252.5401 / 9989.5876 / 9989.3913
degage@degage.com.br / www.degage.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Lista de Bailarinos Famosos "

Bailarino Frederico Loureiro vence bronze em Helsínquia

Diana Faria, Filipa Tenreiro e João Pedro Freitas