sábado, 21 de dezembro de 2013

Feliz Natal !





A todos que aqui vêm, com muito carinho e afeto, agradeço a visita, e quero desejar votos de um Feliz Natal.
Que as bençãos do Menino Jesus, cubram as vossas cabeças, anunciando paz e amor!

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Morreu Luna Andermatt, a mulher que ajudou a inventar a dança em Portugal.

Morreu Luna Andermatt (1926-2013), grande impulsionadora da dança em Portugal. Fundadora da Companhia Nacional de Bailado, em 1976, foi responsável pela reforma da dança em Portugal e, pelas suas mãos passaram muitos dos bailarinos e coreógrafos que, depois dançariam na CNB e no Ballet Gulbenkian. Andermatt morreu esta terça-feira à tarde.
Homenageada este ano pela Câmara Municipal de Lisboa, que lhe atribuiu a medalha de ouro da cidade, aos 86 anos, Luna Andermatt continuava a imaginar. Em Maio, colaborou com a encenadora Mónica Calle numa revisitação a Sagração da Primavera. Foi o seu último projecto.
Um dia escreveu: “Ninguém envelhece só por viver muitos anos. A juventude não é uma época da vida, é um estado da alma. Não é uma questão de faces lisas, de lábios vermelhos e joelhos bonitos. É uma força de querer, uma qualidade da imaginação, um rigor de emoções e uma frescura da profunda primavera da vida.”
Luna Andermatt será cremada após a missa de corpo presente, amanhã às 14h30, que decorrerá na Igreja da Encarnação (Chiado), em Lisboa.

sábado, 10 de agosto de 2013

O bailarino piauiense Luan Batista, 17 anos,  que ficou em terceiro lugar no XII Concurso Internacional de Ballet em Moscou, na Rússia, um dos maiores festivais de dança do mundo, diz que a conquista é fruto de muito esforço e trabalho duro. Segundo Luan, os seus ensaios diários iniciados aos nove anos quando se mudou para a sede do Bolshoi em Joinville, Santa Catarina, foram intensificados ainda mais para o concurso.



“Nós, dançarinos, costumamos dizer que nos preparamos oito anos para dançar dois minutos no palco. Para esse, que foi o meu primeiro concurso oficial, me preparei ainda mais. Treinei sete horas diariamente, por seis meses e todo o esforço valeu apena. Mesmo que eu não tivesse chegado à final já estaria muito feliz, pois estava entre os 150 melhores bailarinos do mundo”

Luan Batista (Foto: Yara Pinho/ G1)


Luan é filho de uma vendedora autônoma e enteado de um funcionário dos Correios. Ele vivia até 2004 com sua família de cinco pessoas sustentados apenas com um salário mínimo, sem nenhum contato direto com o balé. A trajetória do adolescente só começou a mudar quando foi selecionado há nove anos entre os vários alunos da rede pública de ensino para uma vaga na Escola do Teatro Bolshoi do Brasil, única escola fora da Rússia com sede em Joinville, Santa Catarina. Ele e mais nove piauienses deixaram o estado para fazer o curso de formação e profissionalização em dança mantidos pelo Governo do Estado.
O próximo compromisso mundial do bailarino é a turnê ‘Virtuosos do Mundo’ que conta com vários dançarinos brasileiros e devem se apresentar em novembro e dezembro na Rússia, Ucrânia e Sibéria.



Luan Batista conquistou terceiro lugar no Concurso Internacional de Ballet em Moscou (Foto: Nilson Bastian)



Bio estreia novo concurso de dança


O canal Bio vai estrear o novo concurso de dança, "O Meu Sonho É Dançar", no dia 20 de agosto. O formato de sete episódios segue o dia-a-dia de ex-bailarinos do Royal Ballet britânico que se encontram nos EUA para recrutar 12 novos talentos.
O objetivo do concurso, que chega pelas mãos dos mesmos produtores de "Achas Que Sabes Dançar?" e "American Idol" é conseguir formar, em apenas 28 dias, uma companhia de dança contemporânea e organizar uma gala de beneficência em Nova Iorque. Quem não se mostrar à altura, vai para casa.



 "O Meu Sonho É Dançar" estreia-se dia 20 e chega pelas mãos dos produtores de 'Achas Que Sabes Dançar?' e 'American Idol'

Bailarino piauiense mundialmente famoso recebe Medalha em Teresina







Com apenas 17 anos, o jovem bailarino Luan Batista recebeu, nesta quinta-feira (8), das mãos do governador Wilson Martins, a maior homenagem oferecida pelo Governo do Estado do Piauí, a Medalha do Mérito Renascença. Egresso da rede pública estadual de ensino, Luan formou-se na Escola de Balé Bolshoi e ficou em terceiro lugar no XII Concurso Internacional de Ballet em Moscou, na Rússia.
Bailarino piauiense Luan Batista(Foto: Nilson Bastian)
O Mérito Renascença reconhece personalidades que efetivaram grandes feitos em benefício do Piauí. “O Luan é um jovem que enche de orgulho. É um piauiense que brilha no mundo graças à sua garra. O Governo do Estado tem orgulho de ter podido ajudar o Luan a brilhar mundo afora com seu talento através da concessão de uma bolsa”, ressaltou o governador, acrescentando que o Luan é exemplo em quem crianças e adolescentes piauienses devem se mirar.
“Tenho muito orgulho de ter saído daqui (de Teresina). Tenho muito a agradecer a todos que investiram em mim. Sinto-me muito honrado pela conquista da medalha em Moscou, no Teatro Bolshoi – estar lá era um sonho, e de receber a Medalha do Mérito Renascença", afirmou Luan Batista.
Bailarino piauiense Luan Batista(Foto: Nilson Bastian)
Aos nove anos, o bailarino participou de uma seleção entre vinte mil alunos de escolas públicas e garantiu uma vaga para estudo na Escola de Teatro Bolshoi no Brasil. Após se formar, no final de 2012, foi contratado pela Companhia Jovem Bolshoi Brasil. Em junho deste ano, conquistou o terceiro lugar no XII Concurso Internacional de Ballet em Moscou, a mais difícil competição de balé do mundo.

Grupo Plataforma compete em Festival Nacional de Dança

Grupo Plataforma compete em Festival Nacional de Dança

Ballet Bolshoi participa de evento em Navegantes neste sábado à noite

A Companhia de Ballet Berenice Vianna em parceria com a Fundação Cultural de Navegantes promove neste sábado o 1º Encontro de Dança de Navegantes, que acontecerá no Ginásio de Esportes da Faculdade Sinergia, com entrada franca. 


Pela premira vez em Navegantes, a Cia de Ballet Bolshoi do Brasil fará uma participação especialFoto: Tiago Lima / Divulgação.
A partir das 19h30min, com abertura da Companhia de Ballet Berenice Vianna, seguindo com a participação das escolas municipais, convidados e encerrando com a participação especial da renomada Cia de Ballet Bolshoi do Brasil, de Joinville — única Escola do Bolshoi fora da Rússia.As modalidades de dança que irão participar serão: Ballet Clássico, Ballet Clássico de Repertório, Dança Contemporânea, Jazz, Dança de Rua, Danças Populares e Dança de Salão.
Serviço

Quando:
 sábado, 19h30min
Onde: ginásio da Faculdade Sinergia (Rodovia Ivo Silveira, 199, São Pedro)
Quanto: gratuito
Informações: 3342-3586 / 9635-4252










segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Bailarinos de Londrina integram renomados grupos de dança no Brasil

A Escola Municipal de Dança reafirma-se como celeiro de talentos na arte do movimento. Os londrinenses que embarcaram este ano para o Festival de Dança de Joinville (SC) trouxeram na mala importantes conquistas: a participação no Ballet Bolshoi no Brasile na Companhia de Dança Sesiminas, de Belo Horizonte (MG).







Os gêmeos Higor Vargas e Hugo Vargas, alunos do 7º ano da Funcart e integrantes do Ballezinho de Londrina, participaram da acirrada audição da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil e foram selecionados como bolsistas desta que é a mais tradicional instituição de ensino de dança no mundo. Já Priscila Santana, também aluna do 7º ano da Escola Municipal de Dança de Londrina foi classificada para integrar a Cia de Dança Sesiminas.







Os irmãos concorreram com 442 jovens do Brasil e do exterior. Destes, apenas 13 ganharam vaga. A seletiva aconteceu no dia 24 de julho, dentro da programação do Festival de Dança de Joinville. 


Higor e Hugo têm até o final do ano para se acostumarem com a ideia da nova vida em Joinville, já que as aulas começam em fevereiro de 2014. Com duração de oito anos, o curso no Bolshoi oferece ampla formação humanística ao bailarino - além das aulas de balé, a grade inclui disciplinas como história da arte, teatro e música. 






Todos os ingressantes são bolsistas integrais, recebem da instituição acompanhamento médico, uniformes e alimentação durante o período das atividades. Exige-se dos alunos dedicação e rígida disciplina. Parte dos professores que lecionam na sede brasileira vieram do Bolshoi de Moscou.

Os jovens londrinenses devem ingressar no 6º ano de formação. Hoje com 17 anos, os irmãos dançam desde os 12 na Escola Municipal. Por aqui, já dedicam a maior parte do tempo à arte. Higor explica que eles acordam às 6h, frequentam a escola regular no período da manhã, pegam ônibus do bairro Interlagos até a Funcart pouco depois do almoço e fazem aulas e ensaios das 14h às 20h todos os dias. "É bastante tempo de dedicação, mas eu adoro dançar, nunca pensamos em ser outra coisa", disse Hugo.


talento parece ser de família. O que levou os gêmeos a procurarem a dança foi o exemplo do irmão mais velho - o bailarino Anderson Braz, que já integrou o Ballezinho e o Ballet de Londrina e há quase uma década destaca-se no exterior. Atualmente, Anderson é bailarino da Maria Kong Dancers Company, de Israel. "Nosso irmão é um espelho e, por ele, minha mãe sempre nos influenciou bastante. Queremos viver da dança como ele", planeja Hugo.

Para arcar com as despesas dos irmãos ao longo do curso em Joinville, principalmente hospedagem, alimentação fora dos horários de aula e transporte, a Funcart iniciou uma campanha em busca de patrocinadores e doadores voluntários. Interessados podem entrar em contato coma instituição pelo telefone (43) 3342-2362.







A participação no Festival de Joinville 2013 também mudou a vida de Priscila Santana, aluna do 7º ano da Escola Municipal de Dança de Londrina. A bailarina matriculou-se no curso de balé clássico intermediário da professora Cristina Helena no evento catarinense. Ao perceber o ótimo desempenho de Priscila entre os 40 alunos da oficina, a ministrante convidou-a para fazer parte do elenco da Cia. de Dança Sesiminas (de BeloHorizonte), da qual é coreógrafa.

Matéria de O Diário.Com








Dança Campo Grande acontece de 22 a 25 de agosto




Já estão abertas as inscrições para décima sétima edição do Dança Campo Grande/ 2013. O edital com o detalhamento de inscrições, prazos, apresentações e critérios para a participação neste evento de dança foi publicado no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), na última sexta-feira (19). Promovido pela Prefeitura de Campo Grande, com a coordenação da Fundação Municipal de Cultura, o festival de dança acontece no Teatro Glauce Rocha, entre os dias 22 a 25 de agosto. A entrada é franca com ingressos limitados.

O Dança Campo Grande é uma mostra não competitiva e divulgará coreografias inscritas em sete gêneros: ballet clássico de repertório, ballet clássico (livre e neoclássico), dança contemporânea, jazz, danças populares, dança de salão e dança de rua. As inscrições serão divididas conforme os gêneros e os interessados deverão encaminhar sua inscrição de até o dia 9 de agosto para a Fundac (Rua Brasil, 464 – Vila Marman).

O Balé da Cidade de Santos levou o 2º lugar na modalidade Ballet Clássico Conjunto – Sênior, com a nova coreografia ‘Monastério’.

Santos brilhou no 31º Festival de Dança de Joinville (Santa Catarina), considerado o principal do gênero no país, que terminou no último fim de semana.
A Escola de Bailado Municipal, coordenada por Renata Pacheco, conquistou os seguintes troféus: 1º lugar na categoria Balé Clássico (conjunto infantil, com a coreografia ‘A Escolinha’); 3º lugar em Ballet Clássico de Repertório (conjunto juvenil, com ‘Amigas de Coppélia’) e 3º lugar em Ballet Clássico Conjunto (conjunto juvenil, com ‘La Violetera’).
O Balé da Cidade de Santos levou o 2º lugar na modalidade Ballet Clássico Conjunto – Sênior, com a nova coreografia ‘Monastério’.
Já a Escola Livre de Dança da Secult, dirigida por Patrícia Ricci, ficou em 4º lugar, com três coreografias: ‘Guardiã’ (categoria Danças Populares Sênior); ‘Cavalo-Marinho’ (Clássico Júnior) e ‘Pinguins’ (Sapateado Americano Sênior).
O Festival de Dança de Joinville reuniu mais de quatro mil participantes do Brasil e do exterior. Santos participou com 80 bailarinos.

Matéria e imagem da prefeitura de Santos.


Fernando Alonso

Morreu, aos 98 anos, o pai do Ballet cubano, Fernando Alonso.

O ex-bailarino, professor e fundador da Escola Cubana de Ballet, Fernando Alonso, morreu no passado sábado 27 de Julho em Havana, aos 98 anos, informou a televisão estatal. A causa da sua morte não foi revelada. O funeral foi realizado até domingo no Teatro Nacional de Cuba. Em seguida, Alonso foi enterrado no cemitério Colón, em Havana.
A emissora disse que Alonso foi "mestre de gerações de dançarinos" na ilha e no mundo e criador do que se conhece como "método ou escola cubana de ballet para o ensino do ballet clássico".
Nascido em Havana em 27 de Dezembro de 1914, Alonso estreou-se em 1937 como bailarino na Companhia Mordking Ballet. Ao lado da sua mulher, a também bailarina Alicia Alonso, em 1948 fundou o Ballet Alicia Alonso, que depois se transformaria no Ballet Nacional de Cuba, companhia que dirigiu até 1975.
Alonso também foi fundador e director da Escola Nacional de Balett e do Ballet de Camaguey, grupo que liderou de 1975 até 1992, quando passou a dirigir a Companhia Nacional de Dança do México. A sua biografia profissional inclui classes e testes em países como Rússia, Estados Unidos, Bulgária, Argentina, Brasil, México, Uruguai, Venezuela, Colômbia, Peru e China.
No ano 2000, foi agraciado com o Prémio Nacional da Dança em Cuba e, entre outros reconhecimentos, recebeu em 2008, no Teatro Bolshoi, em Moscou, o prémio "Benois da danse", considerado o Óscar da dança.
- See more at: http://hardmusica.pt/noticia_detalhe.php?cd_noticia=16776#sthash.BgAp00UP.dpuf

terça-feira, 23 de julho de 2013

Ballet Nacional da Rússia se despediu do Brasil após passar por 18 cidades


Pela primeira vez na história, "O lago dos cisnes" foi apresentado em 18 cidades brasileiras Foto: RIA Nóvosti




No mesmo dia (20) em que a companhia estava arrumando as malas para a viagem de volta à Europa – 120 malas de figurinos, 200 sapatilhas e 45 malas de cenografia –, alguns bailarinos e o vice-diretor do Ballet Nacional da Rússia, Victor Davidov, foram homenageados em uma recepção organizada pelo consulado geral da Rússia em São Paulo.
Na ocasião, também foi comemorado o Dia Nacional da Rússia, transcorrido em 12 de junho. Os convidados e principais integrantes da comunidade russa de São Paulo foram saudados pelo cônsul, Mikhail Troiânski. Graças ao empenho pessoal do cônsul e aos patrocínios dos empresários Olacyr de Moraes e Serguêi Chak que foi possível realizar a maior turnê de balé russo já ocorrida no Brasil, com apresentações de “Gisele” e “O Lago dos Cisnes”.
“Pela primeira vez em nossa história apresentamos a arte do balé russo em 18 cidades brasileiras. Dado o sucesso extraordinário, uma coisa é certa: estaremos de volta no ano que vem”, disse o líder do grupo, Victor Davidov.

“A produção do Ballet Nacional da Rússia para "O lago dos cisnes", embora retome a coreografia de Marius Petipa que consagrou a peça desde 1895, tem uma certa atualização do seu diretor”, disse o crítico Antônio Hohlfeldt, do “Jornal do Comércio”, sobre a apresentação em Porto Alegre. Porém, Hohlfeldt também criticou a performance geral classificando-a como “burocrática, com uma coreografia tradicional e conservadora, sem grandes lances de criatividade”.A presença dos bailarinos e bailarinas deu um colorido especial e trouxe um agradável burburinho aos salões austeros do consulado. Apesar de a idade deles variar entre 18 e 25 anos, eles não são iniciantes. A maioria veste as sapatilhas por volta dos oito anos, como é o caso de Nikita Mikhailov, que foi um dos destaques da temporada aos 19 anos.
A temporada iniciada em 11 de maio também enfrentou algumas dificuldades, como a apresentação em Joinville, por exemplo, que foi cancelada por falta de procura de ingressos – talvez devido ao preço (R$160). Em outras cidades, os ingressos foram vendidos a R$300. Mas nada disso desanimou aos solistas, como a consagrada Svetlana Ustiujaninova. “Nós somos como os pioneiros, temos uma missão, isto é, levar a arte do balé russo ao Brasil. E a nossa missão foi cumprida”, disse a solista.

Diretor da Companhia de Ballet Bolshoi foi substituído

Mostra Contemporânea

Ballet Palácio das Artes abre a Mostra Contemporânea com obras de coreógrafos consagrados.



Uma companhia que, apesar do "jovem" no nome e no tempo de atuação, traz uma bagagem de peso para o 31º Festival de Dança. Esse é o Ballet Jovem Palácio das Artes, de Belo Horizonte, escolhido para abrir a Mostra Contemporânea na noite deste domingo, no Teatro Juarez Machado. O evento paralelo, com edições também nos dias 23, 24, 25 e 26, é voltado para companhias de nível profissional.

Metade dos 29 bailarinos que integram o projeto fundado em 2007 virão a Joinville. Andrea Maia, diretora artística, conta que o repertório reúne dois recentes trabalhos e outros dois pinçados do repertório do grupo. As coreografias "A Buenos Aires" e "Cantares" fizeram parte do espetáculo da última temporada da companhia, "Jovens Hermanos", em homenagem a cinco artistas argentinos (Bettina Bellomo, Gustavo Mollajoli, Ismael Guiser, Luis Arrieta e Oscar Araiz).

"A Buenos Aires" é coincidentemente ligada à história do argentino Julio Bocca, diretor artístico do Balé Nacional do Uruguai (Sodre), atração de abertura do Festival de Dança. Foi para ele e Raquel Rossetti que Gustavo Mollajoli criou o pas de deux que mistura tango e balé, apresentado em 1985 no palco do Bolshoi de Moscou durante o Concurso Internacional de Ballet, onde Boca recebeu medalha de ouro.

"Cantares", de Oscar Araiz, traz nove bailarinas do Palácio das Artes para tratar do feminino e hispânico. "Iungo", de Adriaan Luteijn, foi apresentado pelo Ballet Jovem pela primeira vez em novembro de 2008, em São Paulo, quando os mineiros dançaram ao lado dos holandeses da Cia. Introdans. Já "Frágil?", de Peter Lavratti, é um balé contemporâneo criado a partir da música "Piano Works", de Craig Armstrong, e dançado pela companhia pela primeira vez no ano passado.

— Esta será nossa primeira apresentação em Joinville. O convite surgiu após a participação em um festival de Uberlândia — diz Andrea, que conta que o Palácio das Artes é conhecido por participar ativamente de discussões em eventos do gênero.

A Mostra Contemporânea também escapa pelas frestas do teatro. "Una Pared", da Cia. Municipal de Dança de Caxias do Sul, só será vivenciado por quem estiver passando neste domingo e segunda-feira pela Feira da Sapatilha, exatamente ao meio-dia. A apresentação gratuita tem formato aéreo. Os bailarinos executam a coreografia suspensos por cordas presas ao muro em frente ao Expocentro Edmundo Doubrawa. A obra faz parte do repertório de Brenda Angiel.

O QUÊ: Mostra Contemporânea.
QUANDO: domingo, às 22 horas.
ONDE: Teatro Juarez Machado, anexo ao Centreventos Cau Hansen.
QUANTO: ingresso a R$ 28, na bilheteria do Centreventos e
www.ticketcenter.com.br.

Sétima edição dos Seminários de Dança,

Abertura de Seminários de Dança tem bailarinos internacionais

Seminários de Dança terão aulas com bailarinos internacionais (Foto: Mauro Schlieck/Festival de Dança de Joinville)

Evento ocorre paralelamente ao Festival de Dança de Joinville.
Tema é “A dança clássica: dobras e extensões”; evento tem 500 vagas.


Segue até terça-feira (23) a sétima edição dos Seminários de Dança, evento paralelo ao Festival de Dança de Joinville. A abertura oficial contou com a presença de Márcia Haydée, bailarina brasileira que já foi diretora do Ballet de Stuttgart, na Alemanha, e se tornou um ícone do balé para muitos dançarinos. Os seminários contam com a curadoria artística do festival e a coordenação executiva de Angela Nolf. As inscrições custam R$120 e ainda podem ser feitas no site.

O tema é “A dança clássica: dobras e extensões” e o evento conta com 500 vagas.  As atividades envolvem 15 palestrantes, como Luis Arrieta; Antonio Nobrega; Ruy Moreira; Rosa Antuña; Ernesto Gadelha; Flávio Sampaio; e Patrícia Avelar. Nestas oportunidades, os participantes podem debater diversos aspectos sobre o tema explanado, realizar atividades didático-pedagógicas, leituras de obras, além da possibilidade de apresentação de trabalhos científicos.

'Les Sylphides',

 'Les Sylphides',



Ao todo, 24 bailarinos e alunos da Escola Bolshoi dançam. A remontagem de 'Les Sylphides' é da professora russa Galina Kravchenko, bailarina do Teatro Bolshoi de Moscou e esposa de um dos maiores intérpretes desse balé, Alexander Bogatyrev.
Um balé à luz da lua em um ambiente clássico onde um jovem sonhador, sempre em busca do novo, dança em meio às sílfides, que são seres invisíveis do ar. 
Já o Balé Teatro Guaíra apresenta uma versão coreográfica completamente nova do clássico 'A Sagração da Primavera', com direção da portuguesa Olga Roriz. O balé homenageia a obra do músico russo Igor Stravinsky, que chocou o mundo por romper com todos os padrões da sonoridade estabelecida, com coreografia do lendário bailarino russo Nijinsky.
A composição musical estreou no Théâtre des Champs-Élysées, na capital francesa, no dia 29 de maio de 1913. A obra mostra a cena de um ritual pagão em que uma virgem é eleita para ser sacrificada em nome de uma boa colheita. Ela irá dançar até morrer. Na montagem do Balé Teatro Guaíra, com coreografia de Olga Roriz, existem dois aspectos diferentes do original: o personagem Sábio tona-se protagonista abrindo a apresentação, e a Eleita não é vítima, mas privilegiada por ser a escolhida, assim dança feliz e sem medo. Os cenários são de Pedro Santiago Cal, que também divide o figurino com Olga Roriz.

Noite de Gala celebra momento histórico do balé mundial

Escola do Teatro Bolshoi e Balé Teatro Guaíra subiram ao palco.
Os dois grupos apresentaram versões de dois espetáculos centenários.
Noite de Gala no Festivel de Dança (Foto: Nilson Bastian/Divulgação)

Na Noite de Gala, nesta segunda-feira (22), dois espetáculos celebraram o centenário de uma noite que mudou os rumos da dança no mundo, em Paris, na França, em 1913. A sequência dos balés Les Sylphides e Sagração da Primavera, dessa vez, foi apresentada pela Escola do Teatro Bolshoi no Brasil e pelo Balé Teatro Guaíra no Festival de Dança de Joinville.

Nos primeiros 30 minutos, 24 bailarinos e alunos da Escola do Teatro Bolshoi em Joinville interpretaram o balé coreografado em 1909 pelo russo Mikhail Fokine. No Festival de Dança, a versão que preservou o figurino e o cenário românticos do século XIX foi uma remontagem da professora russa Galina Kravchenko, bailarina do Teatro Bolshoi de Moscou. Na obra, um jovem sonhador dança em meio às sífildes, seres flutuantes, sob a música de Chopin, em um bosque. Além do corpo de baile composto pelas alunas da única filial do Bolshoi fora da Rússia, três solistas da Companhia Jovem ganharam os aplausos do público.

Ballet Nacional do Uruguai abre Festival de Dança de Joinville

A Noite de abertura do Festival de Dança de Joinville foi marcada pela apresentação do Ballet Nacional do Uruguai. Sob a direção do coreógrafo Julio Bocca, a companhia trouxe quatro coreografias: Doble Corchea, El Corsário – pas D´Esclave, Without Words, e Sinfonietta. O evento ocorreu na noite desta quarta-feira (17).
Segundo Ely Diniz, presidente do Instituto Festival de Dança, participam desta edição do festival mais de seis mil bailarinos, de 22 estados e do Distrito Federal. Durante a abertura o secretário de Turismo, Cultura e Esportes, Roberto Martins, trouxe, segundo ele, a essência do evento e parafraseou o poeta Augusto Branco. "Não é o ritmo nem os passos que fazem a dança, mas a paixão que vai na alma de quem dança".
Apresentação Doble Corchea durante abertura do Festival de Dança (Foto: Diego Redel/Festival de Dança de Joinville)
A primeira apresentação, Doble Corchea, é coreografia do venezuelano Vicente Nebrada. O espetáculo é considerado uma interpretação com bastante energia e humor e a música é obra de Benjamin Britten. Já a segunda, que traz coreografia de Marius Petita, é um balé clássico, cujo tema é a fuga de dois amantes.
A terceira apresentação, Without words, traz a dança contemporânea para o palco. A coreografia é do espanhol Nacho Duato e tem como tema a relação entre amor e morte. A música é de Franz Schubert. A última apresentação da noite, Sinfonietta, é a obra mais conhecida do coreógrafo Jiri Kylián e trata sobre o amor entre os seres humanos. A música é de Leos Janácek. A apresentação é considerada por especialistas um clássico da dança moderna.
Apresentação da coreografia El Corsário (Foto: Diego Redel/Festival de Dança de Joinville)Adicionar legenda

   
O Festival de Dança de Joinville segue até o dia 27. Saiba mais sobre a programação no site do evento.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Ana Lacerda . FIVE TANGOS

PORTUGAL DANCE AWARDS

Portugal Dance Awards

Portugal Dance Awards

Bailarinos portugueses encantam Paris

Quorum Ballet, Portugal

Pina (OST)

Pina Bausch movie presentation Oakland University.mov

A Sagracao da Primavera, maio 2013




 Sagração da Primavera faz 100 anos (1913-2013), e este programa da CNB celebra-os. Para isso contamos não só com a força da coreografia de Olga Roriz e a excelência dos bailarinos da Companhia, como com a interpretação musical da Orquestra Sinfónica Portuguesa, num raro encontro vivo entre música e dança.


LA VALSE
Curta-metragem 

Realização João Botelho ◆ Coreografia Paulo Ribeiro ◆ Música Maurice Ravel 
Coprodução CNB / Ar de Filmes ◆ Com os bailarinos da Companhia Nacional de Bailado

Interpretação musical
Orquestra Sinfónica Portuguesa sob a direção de José Miguel Esandi


A SAGRAÇÃO DA PRIMAVERA

Direção / Coreografia Olga Roriz ◆ Música Igor Stravinski ◆ Cenografia Pedro Santiago Cal
Figurinos Olga Roriz e Pedro Santiago Cal ◆ Desenho de luz Clemente Cuba

Interpretação musical
Orquestra Sinfónica Portuguesa sob a direção de José Miguel Esandi

O Lago dos Cisnes, Fev2013

Gulvira Kurbanova Greatest Ballet Performance I Ever Saw Amazing Inspira...

DIA INTERNACIONAL DA DANÇA


O 29 de abril, Dia Internacional da Dança, ainda é uma efeméride nova e mesmo desconhecida para muita gente. Embora tenha sido instituída em 1982 pelo CID (Comitê Internacional da Dança) da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), só começou a ser realmente lembrada no Brasil nos últimos anos. Cada vez mais, no entanto, artistas e profissionais da área reconhecem que é importante celebrar a data para, inclusive, dar maior visibilidade à dança, lembrar de sua importância e de suas demandas.  
Ao criar o Dia Internacional da Dança a UNESCO escolheu o 29 de abril por ser a data de nascimento do mestre francês Jean-Georges Noverre (1727-1810), um reformulador cuja obra conta com um estudo precioso de Marianna Monteiro, no livro Noverre, Cartas sobre a Dança, publicado em 1998 pela Edusp. Por coincidência, entre os brasileiros a data também pode estar associada ao aniversário de uma personalidade de indiscutível importância: Marika Gidali, a bailarina que, com Décio Otero, fundou o Ballet Stagium em 1971 em São Paulo, para inaugurar no Brasil uma nova maneira de se fazer e apreciar dança.  

Le Corsaire Bolshoi-2012


O 29 de abril, Dia Internacional da Dança, ainda é uma efeméride nova e mesmo desconhecida para muita gente. Embora tenha sido instituída em 1982 pelo CID (Comitê Internacional da Dança) da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), só começou a ser realmente lembrada no Brasil nos últimos anos. Cada vez mais, no entanto, artistas e profissionais da área reconhecem que é importante celebrar a data para, inclusive, dar maior visibilidade à dança, lembrar de sua importância e de suas demandas.  
Ao criar o Dia Internacional da Dança a UNESCO escolheu o 29 de abril por ser a data de nascimento do mestre francês Jean-Georges Noverre (1727-1810), um reformulador cuja obra conta com um estudo precioso de Marianna Monteiro, no livro Noverre, Cartas sobre a Dança, publicado em 1998 pela Edusp. Por coincidência, entre os brasileiros a data também pode estar associada ao aniversário de uma personalidade de indiscutível importância: Marika Gidali, a bailarina que, com Décio Otero, fundou o Ballet Stagium em 1971 em São Paulo, para inaugurar no Brasil uma nova maneira de se fazer e apreciar dança.  

Don Quixote grand pas de deux - Svetlana Zakharova and Andrei Uvarov

segunda-feira, 29 de abril de 2013

segunda-feira, 4 de março de 2013

Perfeitos!


Unesc abre inscrições para oficinas de ballet e canto coral

Estão abertas as inscrições para oficinas culturais de dança e canto na Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc). Os interessados pelas aulas de ballet infantil, hip hop teen e canto coral, podem se inscrever na Central de Atendimento ao Acadêmico (Centac), das 9h30min às 21 horas. As aulas iniciarão no dia 18 de março.

As aulas de ballet serão divididas em duas categorias. A categoria 1, para crianças de seis a nove anos, será ministrada pela professora Viviane Candiotto, que também ministrará a categoria 2, para os alunos de nove a 13 anos. A categoria 1 ocorrerá nas quartas-feiras, das 17h30min às 18h30min, na Sala de Dança 1, localizada no complexo esportivo da Unesc.

As aulas da categoria 2 ocorre nas segundas-feiras, das 18 horas às 19 horas, no mesmo local. Já as aulas para os mais jovens, no hip hop teen, ocorrerá também na Sala de Dança 1, nas segundas-feiras, das 16 horas às 17 horas, e será ministrada pelo professor Maxwell Sandeer Floor.

O canto coral terá suas aulas nas sextas-feiras, na sala 3 do Bloco Z, das 17h30min às 18h30min, sendo ministrada pelo professor Joel de Oliveira. As oficinas são promovidas pelo projeto Unearte Oficinas, do Setor de Arte e Cultura da Unesc.

As aulas são pagas. Mais informações: (48) 34312622.

Colaboração: Matheus Reis/Comunicação Unesc

Matéria de : Ana Paula Cardoso

Parceria Brasil-Reino Unido traz cariocas do Royal Ballet ao Rio

Da BBC Brasil, no Rio de Janeiro
 
 
Quando as cortinas do Theatro Municipal do Rio de Janeiro se abrirem nesta sexta-feira, a temporada 2013 do palco carioca será aberta com um pas de deux inédito Rio-Londres.
A parceria que leva primeiros bailarinos e solistas do Royal Ballet, a companhia de balé da Royal Opera House de Londres, para a casa de espetáculos no Rio é um dos primeiros passos de um acordo que visa à troca de experiências e aprendizado entre as duas instituições e à expansão da educação artística nos dois países.
 
Nesta semana, o diretor executivo da Royal Opera House, Tony Hall, e a presidente do Theatro Municipal, Carla Camurati, assinaram o acordo, que prevê intercâmbios de experiências, espetáculos, educação e capacitação profissional, em Londres e no Rio, até 2016.
O Theatro Municipal se tornou o segundo parceiro internacional da Royal Opera House, espelhando um acordo semelhante estabelecido em 2008 com o National Centre for the Performing Arts, em Pequim.
A companhia britânica trouxe oito primeiros bailarinos (os principais da companhia) e três cantores líricos para apresentar, de sexta a domingo, o "Gala Royal Opera House", espetáculo que combina pas de deux (duetos de bailarinos) clássicos e contemporâneos e árias famosas, com participação da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal.

Nervosismo em casa


Foto: Sarah Robbins/BBC Brasil
Thiago apadrinha projeto de escola de balé para crianças carentes



Os brasileiros Roberta Marquez e Thiago Soares, que se tornaram primeiros bailarinos do Royal Ballet em 2004 e 2006, respectivamente, são os que melhor personificam a ponte entre as duas instituições.

Crias do Municipal, Roberta e Thiago já voltaram ao Rio para se apresentar com o corpo de baile carioca, mas é a primeira vez que dançam em casa pela companhia britânica.

Para Roberta, esta será a primeira vez no palco do Municipal desde 2009, quando dançou o Quebra-Nozes com o corpo de baile do teatro.


"Estou doida para dançar. Amo esse teatro. Eu sou a bailarina que sou por causa desse teatro. Aprendi muito aqui", diz ela, descoberta no corpo de baile quando Natalia Makarova, lenda viva do balé, veio montar La Bayadère no Rio e a escolheu como solista. A russa depois a levou para a Royal Opera House.

Carioca de Jacarepaguá, bairro de classe média na zona oeste do Rio, Roberta conta que se encantou pelo balé quando foi levada pela mãe para ver o Lago dos Cisnes no Municipal, com apenas 6 anos, e viu Ana Botafogo dançar. Ela diz que o nervosismo é maior quando volta para este palco.

"Fico mais ansiosa quando danço aqui do que lá fora, porque a plateia que está no Brasil é a que me viu crescer. É uma emoção muito grande."

"Se eu estivesse começando hoje, não sei se eu teria a mesma vontade de ir embora (do país). Na minha época, eu tive que ir, porque a indústria era muito pequena."
Thiago Soares, dançarino

Enquanto ajusta um tufo de algodão sobre os dedos dos pés para vestir a sapatilha de ponta, Roberta diz que já se acostumou ao frio de Londres e está estranhando os efeitos colaterais do calor carioca. "Meus pés estão inchados!", ri durante a entrevista à BBC Brasil.

Brasil 'bombando'


De resto, porém, o estranhamento que os dois bailarinos sentem ao voltar para casa é positivo. Thiago, que cresceu em São Gonçalo, município vizinho ao Rio, e já mora em Londres há 13 anos, afirma sentir otimismo sempre que volta ao Brasil, refletindo a percepção que tem lá fora de que o país está "bombando".

"A cada ano que eu venho, eu sinto uma grande diferença aqui. A indústria da dança está crescendo muito. Hoje temos musicais, temos peças de teatro com dança, temos companhias maravilhosas."

Hoje, a opção de sair do país não se apresenta mais como uma obviedade para profissionais em início de carreira, considera ele.

Foto: Sarah Robbins/BBC Brasil
Roberta diz que já estranha o calor carioca

"Se eu estivesse começando hoje, não sei se eu teria a mesma vontade de ir embora (do país). Na minha época, eu tive que ir, porque a indústria era muito pequena. Não havia tantos papéis, tantas obras, tantos convidados. E não existia esse intercâmbio", diz, referindo-se à troca inaugurada entre a Royal Opera House e o Theatro Municipal.

Thiago começou a dançar com um grupo de street dance em São Gonçalo, seguindo os passos do irmão mais velho. O coreógrafo identificou seu talento e o levou para um Centro de Dança Rio, no bairro do Méier, na zona norte do Rio.

Hoje, o bailarino considera "fundamental" passar adiante a ajuda que teve. Ele é padrinho do projeto Ballet Santa Teresa, que atende a crianças e adolescentes carentes.

"Eu vou lá, dou aulas, converso com eles, dou um pouco do que eu aprendi e ajudo a desenvolver projetos, criar oportunidades para eles. Ajudo a trazer um pouco de mídia, patrocinadores. Tem que meter a mão na massa mesmo."

Para o bailarino, a vinda ao Rio com o Royal Ballet “é o começo da realização de um sonho” de trazer a companhia britânica "em peso" para a cidade.

"Com essa parceria entre o Royal e o Municipal, acredito que esse sonho vá se realizar em 2015. Esse é só um aquecimento, um programa reduzido comparado ao tipo de espetáculo que fazemos lá."

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Corsaire


Poema da Bailarina

                                                              Eu Louvo à Dança

"Eu louvo a Dança, pois ela liberta as pessoas das coisas,
 unindo os dispersos em comunidade.
 Eu louvo a Dança que requer muito empenho, que fortalece a saúde,
 o espírito iluminado e transmite uma alma alada.
 Dança requer o homem libertado, ondulado no equilíbrio das coisas.
 Por isso eu louvo a Dança.
 A Dança exige o homem todo ancorado em seu centro para que não se torne, pelos desejos desregrados,
 possesso de pessoas e coisas, e arranca-o da demonia de viver trancado em si mesmo.
 Ó homem, aprende a Dançar!
 Caso contrário, os anjos não saberão o que fazer contigo."

(Santo Agostinho)

Natalia Osipova & Ivan Vasiliev - Giselle Adagio

sábado, 19 de janeiro de 2013

O bailarino Serguei Filine foi hospitalizado com queimaduras graves no rosto e nos olhos depois de ter sido alvo de um ataque na noite de quinta-feira


Director do Ballet Bolshoi foi atacado com ácido em Moscou

Serguei Filin, responsável pela mais famosa companhia de dança da Rússia, sofreu queimaduras de terceiro grau no rosto e ficou com a visão em perigo. Fala-se em ciúmes e em luta por lugares no palco do Bolshoi como móbil do crime, mas nada foi ainda confirmado.



O ataque, segundo os media russos, citados pelo jornal espanhol ABC, foi perpetrado por “um indivíduo não identificado” e com máscara, que lançou um frasco com líquido à cara de Filin, “presumivelmente ácido”.
Os médicos que o assistiram no hospital mostraram-se principalmente preocupados com o estado dos seus olhos, que foram afectados por queimaduras de terceiro grau, e apontam para uma recuperação que pode demorar, pelo menos, meio ano. Segundo a agência Interfax, o ex-bailarino, de 42 anos, deverá mesmo ser enviado para tratamento para a Alemanha ou Israel.
Diz o ABC que os companheiros de Filin no Teatro Bolshoi admitem que o ataque possa estar associado à sua actividade profissional e a ciúmes e lutas motivadas pelas suas decisões à frente da companhia. Filin “foi ameaçado repetidas vezes, desde que assumiu o cargo”, em 2011, disse a assessora de imprensa do Bolshoi, Katerina Nóvikova.
“Antes da sua chegada, também os seus antecessores eram constantemente pressionados, mas nunca imaginámos que a luta por um papel pudesse chegar a estes extremos; sempre acreditámos que as pessoas ligadas ao meio teatral tivessem um mínimo de decência moral”, acrescentou Nóvikova, admitindo, agora, que este é “um episódio absolutamente assustador”.

Ainda que a direcção que Filin imprimiu ao Bolshoi não seja especialmente controversa – como disse ao NYT o jornalista Raymond Stults, um especialista e crítico de dança que escreve no diário de língua inglesa Moscow Times –, a verdade é que o Teatro Bolshoi, já com 234 anos de história, tem sido “palco” de uma acesa luta pelo poder, e alvo de sucessivas críticas, que se manifestaram nomeadamente no decorrer das obras de reconstrução desta pérola da arquitectura e das artes cénicas russas, que reabriu ao público em Outubro de 2011.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Ballet Russo apresenta Don Quixote em Praia Grande

O Palácio das Artes, em Praia Grande, receberá duas apresentações da 10ª temporada do grupo Ballet Russo com a montagem completa do texto “Don Quixote”. Os espetáculos acontecerão nos dias 25 e 26 de janeiro, sempre às 20 horas, e terá participação especial do premiado casal de bailarinos venezuelanos Ana Karina Enriques e Anthony Vivas. Os ingressos para a apresentação custam R$ 30, 00 (inteira) e estão à venda na bilheteria do local. O Palácio das Artes fica na Avenida Presidente Costa e Silva, 1.600, Bairro Boqueirão. O espetáculo “Don Quixote”, que é baseado na obra homônima de Miguel de Cervantes, se passa na Espanha e conta a história de amor da jovem Kitry e do seu namorado, o barbeiro Basílio. Além das aventuras de amor do jovem casal, entre ciganos, dríades e taberneiros, a apresentação mostra todo o talento técnico dos dançarinos do tradicional Ballet Russo. “Don Quixote” tem três atos, classificação livre e duração de 120 minutos. A coordenação musical tem assinatura de Ludwig Minkus e coreografia e Marius Petipá. Entre os bailarinos da apresentação, estão Paula Alves, Thamiris Prata e Norton Fantinel. Descontos Tem direito ao desconto de meia entrada estudantes (devidamente credenciados), idosos com 60 anos ou mais, professores e portadores de deficiências e necessidades especiais.